Alfredo Marceneiro – Quadras Soltas

Alfredo Marceneiro – Quadras Soltas

 15.65

Esgotado

REF: 5147 Categorias: ,

Partilhar:

Se fadista houve que, de modo absolutamente incontestável, marcou a história e a evolução do fado,ele foi Alfredo Duarte, marceneiro por profissão e Marceneiro de nome artístico. A sua longa carreira abrangeu praticamente todo o século XX e todas as diferentes fases por que o género passou, dos bailes de bairro, cafés de camareiras e retiros até às casas de fado e edições discográficas. A ele se devem algumas das mais clássicas e aclamadas composições do género embora ele não fosse compositor nem tivesse educação musical.

Marceneiro de profissão sempre teve uma especial predilecção pelo canto e representação, gosto que herdara de sua mãe.

A sua voz fora já notada em algumas cegadas carnavalescas, típicas do início do século XX, em que participara.

Nesse tempo os bailes abriam-se a todos aqueles que tivessem habilidade e gosto para cantar e a voz de Marceneiro começou aí a destacar-se, embora ele próprio não considerasse ter uma grande voz.

Ao contrário dos fadistas de carreira, que se podiam dar ao luxo de encomendar letras especificamente para o seu repertório, estes amadores interpretavam versos que eram publicadas nas muitas revistas de fado existentes, dirigidas por nomes célebres como o cantor Carlos Harrington ou o letrista Linhares Barbosa.

Inicialmente por Alfredo Lulu pelo cuidado que colocava na sua aparência, só na década de 20 o fadista passaria a ser conhecido artisticamente como Marceneiro, numa altura em que a sua reputação já era assinalável no meio.

Não se limitava aos bailes ou desgarradas; era também presença assídua dos célebres "cafés de camareiras" que, aliás, recordaria anos mais tarde numa das suas melhores criações, e numa das primeiras casas de fado, o Catorze do Rato, onde foi notado pelo poeta popular Manuel Soares, que lhe escreveu as suas primeiras letras.

Em 1924 que recebe o seu primeiro contrato profissional, actuando no Chiado Terrasse, pois até aí cantava para pagar o jantar, reflectindo a tradição fadista que levava os cantadores a actuar apenas uma ou duas noites por semana para não privarem os colegas de trabalho, e a interpretarem apenas o seu próprio repertório.

Era uma época de verdadeiro amadorismo, em que os fadistas cantavam por gosto sem pensar na aclamação do público ou no cachet que receberiam no fim; é, aliás, desta época que datam as desgarradas e cantares ao desafio, nascidos das «guerras» amigáveis entre cantadores que definiam as suas qualidades e reputação.

Só com a implantação das casas típicas de fado o panorama se começou a alterar e Marceneiro foi um dos que mais se popularizou graças a elas, chegando inclusive a ser convidado para cantar em revistas teatrais, onde se estreou em 1930.

Depois é história. A história daquele que foi indubitavelmente a maior figura de sempre do fado no masculino.

A Ovação reedita agora, na sua série «Colecção Fado», um dos seus disco mais marcantes «Quadras Soltas», álbum em que se pode escutar o imenso virtuosismo vocal, em fados como «O Pagem»; «Rainha Santa»; «Sinas»; «Cabaré»; «Remorso» ou «Quadras Soltas».

Disco de audição obrigatória, revela-se também um documento musical de inegável valor histórico para o fado em particular, para a música nacional em geral.

Peso 120 g
Distribuição

Acordes e Tons

Label

Ovação

Artista

Alfredo Marceneiro

Customer reviews
  • 0
    0 ratings
  • 5 Stars
    0%
    4 Stars
    0%
    3 Stars
    0%
    2 Stars
    0%
    1 Star
    0%
Reviews

There are no reviews yet.

Write a customer review

Be the first to review “Alfredo Marceneiro – Quadras Soltas”

TOP

X